sábado, abril 18, 2009

Quem quer ser milionário?

Acabo de utilizar os recursos de copyleft para ver o ultimo filme estrangeiro premiado na merda da festa estadunidense de cinema. Cago e ando para o Oscar, mas sempre paro pra ver os filmes "estrangeiros" premiados. Slumdog Millionaire, filme indiano, show de enredo e fotografia.

Se escrevo aqui sobre ele é por que o filme me traz alguns sentimentos de revolta. O primeiro é a revolta contra a merda da realidade comparada. Se lá a ascensão social entre castas é muito mais limitada do que aqui, o que me incomoda no meu país é que todo mundo sabe os caminhos para um pobre coitado brasileiro sair da miséria e "merecer" um relativo respeito.
São eles, a música, o futebol e a loteria. Eu sonho num dia dizer que os caminhos são, artes, esportes, estudo e trabalho. Afinal sonhar com algo melhor que isso é pra lá de utópico.

Com estudo e dedicação já consegui entrar na linha miserável dos contribuintes do Imposto de Renda, ser milionário nunca passou pela minha cabeça, aliás, me dá até medo esse negócio.

Se o estudo e ralação foi minha trilha, penso e comparo a realidade com nossos amigos Indianos e concluo que a potencia do mundo da tecnologia da educação se deu com quase duas décadas de investimentos na educação, ignorando todas as outras necessidades básicas humanas (de acordo com as exigências da ONU).

As favelas lá são muito maiores e sujas do que as daqui, a comparação da extensão territorial também é válida, mas quando o papo é índice demográfico, ficamos pra trás vendo poeira.

Fiquei eu depois do filme a pensar, lá também deve morrer jovem pra caramba, e deve ter crime, droga, acerto de contas, impunidade, corrupção e, claro, muita injustiça. Nem penso em comparar os índices de homicídios que assombram os jovens com menos de 25 anos. Por aqui é um absurdo o número de jovens comendo capim por baixo ou apodrecendo numa cadeia.

Na minha mente estúpida e revoltada cheguei a relacionar que a manutenção da nossa miséria, onde pobre mata pobre e rico mata pobre, é que garante o controle populacional, afinal se não morresse tantos jovens no Brasil, talvez a nossa população se equiparasse com a da Índia, e os custos sociais do governo causariam um déficit fodido nas contas públicas e, claro, limitaria os desvios de verbas.

Olhando para os anseios dos irmãos cinzas da Índia, não tenho dúvidas, temos os mesmos sonhos e provavelmente os mesmos problemas. Porém na indústria da Informática somos concorrentes e custamos pouco para os "Senhores de Engenho Digital". E a tal crise mundial nos torna inimigos mortais nos mega business das transnacionais de TI, enquanto os limitados profissionais estadunidenses mínguam na miséria do desemprego de suas ostentações bancadas por genocídios mundo afora.

Não há dúvida nenhuma, em diferentes escalas e contextos continuamos colonizados e escravizados, vendendo as drogas digitais ou psicotrópicas, na surrealidade de desejos humanos que colidem com as trademarks dos senhores da casa grande financiada por papéis de mentira.

E quem lucra, no apogeu ou crise, é sempre alguém que tem "olho azul" !!!

sexta-feira, abril 03, 2009

HORTOLANDIA CITY - Aos manos e aos trouxas

Aos manos porque vale lembrar que aqui é o reduto de muitos que se arrependem, de vários que fizeram a escolha errada e de uma boa parte que nunca vai estar nem aí mesmo. Qual pobre não conhece alguém que tá preso?

Aos trouxas que eu tenho que aguentar com o discurso burguês de quem teve a oportunidade de fazer uma faculdade antes de existir o ProUni e que só enxerga o que querem ver, não fazem a minima idéia do que é a cidade de Hortolândia, felizes ou infelizes dentro dos escritórios das multinacionais.

Se liga no contraste, de um lado do muro 6 mil malucos, maioria escura, cabelo ruim. A maioria proveniente dos guetos e favelas, a realidade da maioria da população do país. O retrato falado do Brasil, a exclusão.
Do outro lado do muro, encarceirados em baias de 1,5m por 1,5m, bem vestidos, bilingues, olhos claros, formados, viajados. A verdadeira Finlândia.

Do lado de lá do muro, DEXTER, rapper, dos bons. Hortolandia também me traz na lembrança sempre outros grupos, Faces da Morte e Inquerito. No silêncio observo na esquina, dentro de um carro importado o semi-engravatado ouvindo TUPAC, da lotação parada no ponto emana um som do GOG.

Ainda acho que a faculdade da vida esqueceu de levar os mocinhos bonitos para um dia de visita na cadeia. O resultado, no mínimo, seria ter gente mais séria na rua.

Do ponto de vista mais alto, se vê quase a mesma quantidade de encarcerados dentro e fora do muro. Uns custa para o Estado R$ 687 enquanto outros geram pra união uma média, superior a isso, aproximadamente R$ 1000 per capita dos empregados na cidade em impostos diretos (Uma parte sai do bolso do patrão e a outra do empregado automagicamente).
Dane-se que a maioria dos empregados são de outras cidades, e principalmente por que eles que recebem os maiores salários. As empresas possuem alguma isenção fiscal na maioria das vezes. O governo Federal e Estadual ficam com a maior parte arrecadada. O governo Estadual por sua vez boicota a Prefeitura que arrecada pouco e pra manter as empresas lá, assumem a isenção de IPTUs. De um lado a galera com carro bonito, emprego bom, bem vestido. Pertinho dali os calças bege, que não tem mais nada à perder. E no meio um povo largado pelas todas as autoridades. Não quero sugerir nada, é apenas uma leve análise de risco.

Então a prefeitura quer fechar as delegacias no perído da noite pra economizar grana. Afinal a policia militar é de competência do Estado, mas não paga as contas. A prefeitura fodida que não leva nada com o tal Big Business tem que emprestar a grana pra pagar a conta de luz, agua, telefone, internet, material de limpeza e até gasolina das delegacias. Já entrei numa delegacia de Hortolandia à noite e percebi como o clima é tenso e não é à toa. PCC é foda.


Sob pressão internacional, o mais populoso e polêmico presídio do Brasil, o Carandiru, sumiu do mapa pra gringo ver. Pelo que me recordo foi implodido e apenas continua de pé os prédios do presidio femino. Pra mostrar ao publico "povo" como o Governo do Estado é bonzinho, eles tiraram os presos de lá antes de implodir. Só não contou pra ninguém pra onde transferiram os presos, digo sua maioria.

O mundo sempre dá voltas. Aqueles gringos que à propósito dos direitos humanos condenou o carandiru é quem visita suas Mega-Transnacionais em Hortolanida e claro, são hospedados em Hotel 5 estrelas em campinas. E pela janela do taxi, no caminho, eles sempre conseguem ver a SP101, o destino do lixo varrido pelo PSDB (O mesmo que sentou o pau em 111 e ficou por isso mesmo). Mas o problema é nosso.


O capital e seus lindos contrastes.

sexta-feira, março 06, 2009

Reforma Agrária ?

Os caras do outro lado do Oceano dividiram isso aqui especulando o tamanho do lugar... Pois bem, o mais otário Rei do momento ficou com a maior parte, puta negócio.... E ali já tinha começado a exploração da nossa Terra. Logo depois as sesmarias, capitanias e tal. Vários cupinxas ganharam seu pedaço, a contrapartida, claro, garanta o lucro do lado de cá do oceano.
Corre pra cá e pra lá e a mina de ouro passa de mão em mão no imaginário da elite de européia. Até aqui no campo (unica atividade comercial) o negócio é escravocrata e bandeirante mesmo... matando índio avançando a compra de escravos africanos. Aqui entra um personagem fantástico. O Zumbi dos palmares.

Até a metade do século 19 o que se sabe é que tá tudo em baixo dos panos... e ao contrário de promover a reforma agrária, eles limitaram o usucapião. Ou seja, até ali controlavam a propriedade rural na base da força, do cangaço. Os almofadinhas achavam que só o contrato de compra e venda já resolveria a merda instaurada, as vinganças, as injustiças.

A igreja e a elite européia também é responsável pelos assentamentos dos brancos oriundos de países como Itália, Alemanha, Polônia e Japão pra popular as conquistas de terras da guerra do Paraguai, um puta golpe contra a América Latina e seu povo. Disimou o mais promissor e endividou os vencedores da aliança, e ainda usaram o novo sul do Brasil pra anistia de guerras, que não foram nossas hehehe.

Na ultima metade do século rola um controle por parte da igreja a qual levava um certo progresso nas suas Missões que ao menos criavam Municipios. Ali destaca-se a época de Padre Cícero, que assim como outros padres de origem humilde (único meio de ascenção social da época), usavam de seu poder Celestial e Político para amenizar as dores do sertanejo explorado.

Na luta de Antonio Conselheiro perdemos a resistência e a República se individa mais um pouco. O primeiro AlgumaCoisaDuto começa com a guerra de CANUDOS, eita nome sugestivo.

Ai quando o povo começa a entender seu destino, o Latifundio é o resultado de muitas lutas sangrentas, criando figuras emblemáticas como Lampiao, que hoje pode ser visto nos olhos de muitos periféricos das metropoles vivendo, roubando, matando, morrendo... A resistencia ainda tá aí, mas ninguém vê... a Revolução não será televisionada nunca...

Então chega a ditadura. Chumbo e porrete, pra mostrar mesmo quem manda.

Pediram, clamaram, suplicaram, morreram, sofreram, choraram e tudo que conseguiram na luta contra a ditadura foi um acordo... Silencio dos dois lados, todo mundo ganha.
Desde que nasci, só ouvi falar de um grande movimento popular de sucesso, nos seringais, onde surgiu um outro maluco que foi detido à bala, Chico Mendes.

E assim chegamos ao século vinte um miseravelmente explorando o velho "grande negócio" do Brasil. A "TERRA"... quem a tem, tem poder. Todo mundo sabe disso, todos entendem. Mas existe outra coisa muito velha por aqui, a idéia de que povo não pode progredir, povo tem que continuar povo, povão, povinho, gentalha.... Condenados à miséria, os rótulos vão mudando, hoje grileiros, amanhã agentes do INCRA, depois sei lá o quê.

Mas quando o povo resiste bravamente, a elite vende a história como vandalismo e selvageria.

Hoje a luta é no campo e na mídia. As maiores heranças da ditadura, a mídia gorda burra viciada e o maior movimento popular já visto no país, o MST.

Mas o agrobu$iness tá aí, e com ele a necessidade de se manter o latifundio, à golpes baixos como sempre. Afinal eles garantem o futebol , a cachaça e mulher pelada na TV. O arroz com feijão é problema teu.

O problema aqui é OTUS 500.... anos!

Vida longa ao MST.

quinta-feira, janeiro 15, 2009

Israel, Mano Bin e a verdadeira esquerda do mundo "democrático"

Você já viu o mapa de Israel? Pois como será possível o pop star negro pálido segurar o rojão? Pedirá ele à Madnona, Elton John e seus amigos fazerem um show beneficente na Palestina, ou quem sabe na Jordânia? Em gaza te garanto que ele não topa.

Em meio a tantas perguntas, a que eu sempre fiz assertivamente e nunca me respondem com apenas três letras é: Se o Estado de Israel foi criado pela tal ONU no meio de outro país, isso não é um território invadido? A história recente sempre mostra que ninguém no Oriente Médio é amigo de Israel, e sim amigo da fábrica de armas deles, e dadas as circunstancias, até a Palestina (ou o que resta dela) é capaz de fazer as pazes se precisar de armas pra pagar fiado.

A barbárie militar choca? Pois a idiotice diplomática me insulta ainda mais. É duro imaginar que nos ultimos milênios os Judeus são sempre os coitadinhos. Não faço aqui referência às vítimas do holocausto, nem ao controle da mídia imposta desde que existe TV à cores, muito menos aos premios Oscar ganhos pelo Spielberg.

E a ultima aparição do Mano Bin no meio da baderna?? Diz a mídia gorda viciada mal traduzida, que o cara convocou o povo árabe pra um Jihad contra os Filhos de Moises. A palavra que ecoaria na cabeça de um comum telespectador seria: "-FUDEU!!!"
Aliás, seguindo essa tática, a mesma de sempre, a do medo, lembre-se de não comprar nada pra que a crise economica aumente e assim justificar mais guerras pelo globo à fora.

Pra quem não sabe, eu acho que o Bin Laden é o maior personagem de guerra de hollywood depois do Rambo. A diferença é que nos filmes do Rambo o ator, o pente da metranca e sua faixinha de cabelo são sempre os mesmos. Mano Bin, reapelidado por mim mesmo, seria o meu personagem preferido das minhas paranóias bélicas civis da terra brasilis dos dias de hoje, ele seria o louco líder do levante periférico contra essa baboseira de ostentação dos mequetrefes que lapidam a riqueza gerada pelo povão desinformado do futebol, carnaval e bunda. O Mano Bin, dentro da minha fértil imaginação, traja bombeta no lugar do turbante, suas roupas também são largas mas seguem o "estilo favela", bombo-jaco e muita ginga. Sua legião de loucos é infinita e o dialeto é próprio tá ligado?!

Hamas ? IRA? Hizbollah? Tigres Tâmeis? Chavismo? Sendero Luminoso? Zapatismo? Tupac Amaru? Organização Revolucionária 17 de Novembro? Grupos separatistas chechenos? Al Jihad? Fatah ? ETA? Farc? PCC? Cufa? MST? Via Campesina? Conlutas? CV? 3C? Jihad Islâmico ?

Eis a verdadeira esquerda atuante neste mundo, o resto é engodo da tal democracia burguesa corrompida.

Poderia citar mais alguns grupos rebeldes (denominados TERRORISTAS pela nomenclatura da midia gorda). É muito fácil ignorá-los e até condená-los, e com o mesmo gesto ignorar suas respectivas histórias e reivindicações e até condenar a própria inteligência humana ao acreditar em tudo o que a caixa de luz colorida te diz, mesmo que ela seja fina e Full HD, afinal ver de camarote não dói.